Precisa de ajuda?
Faça aqui a sua pesquisa
Faleceu o bispo do Porto
11.09.2017
As exéquias solenes de D. António Francisco dos Santos celebram-se no dia 13 de setembro, quarta-feira, pelas 15h00, na Catedral do Porto. A informação foi avançada pela própria diocese. Numa nota divulgada na página de internet, informa-se que «o corpo do Senhor D. António estará em Câmara ardente a partir das 17h00 de hoje [segunda-feira, dia 11 de setembro]. Os fiéis que quiserem prestar a sua homenagem poderão fazê-lo entre as 9h00 e as 24h00.

A Câmara Municipal do Porto decretou três dias de luto por causa da morte.

O bispo do Porto, D. António Francisco dos Santos, faleceu nesta segunda-feira de manhã. A notícia foi avançada pela Agência Ecclesia. Este sábado participou, com a diocese do Porto, na peregrinação ao Santuário de Fátima. A Rádio Renascença, citando fonte da diocese, afirma ter-se tratado de um «ataque cardíaco fulminante».




D. António Francisco dos Santos tinha 69 anos e era bispo do Porto desde 2014.

Nasceu em Tendais, Cinfães, em 29 de agosto de 1948, tendo sido ordenado em dezembro de 1972. A ordenação episcopal aconteceu em março de 2005, com o título de Meinedo -  Sé de Lamego. Foi bispo auxiliar de Braga e bispo de Aveiro.
 

«Belíssima imagem de Cristo Bom Pastor»
D. Manuel Clemente a quem substituiu na diocese do Porto quis prestar a sua «profunda homenagem» a D. António Francisco dos Santos. À Agência Ecclesia disse que «ele foi entre todos nós, em Portugal, entre todos nós que o conhecemos e que tanto ganhamos com a sua convivência e com a sua ação, uma belíssima imagem do que é Cristo Bom Pastor que continua presente na Igreja e na sociedade em geral». O cardeal-patriarca salienta a «sabedoria», «proximidade» e o «enorme coração» que tinha. Consternado, D. Manuel Clemente foi surpreendido pela notícia e deixa uma «palavra de esperança e de certeza de que Deus o recompensará de tantos trabalhos».

«Tristeza e consternação»
À Família Cristã, o porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) expressa «tristeza e consternação pela morte do D. António Francisco dos Santos, não só em nome pessoa, mas em nome da CEP, e reconhecer em ação de graças o que ele foi, um homem e um pastor humilde, próximo das pessoas não só no seu trabalho na diocese como também nos vários serviços que assumiu na CEP». Atualmente D. António Francisco dos Santos era presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana. O Pe. Manuel Barbosa afirma: «Estamos em comunhão de oração com ele. É uma perda muito grande para a diocese e para a igreja em Portugal. O Papa nomeou-o para uma das maiores dioceses do país porque viu nele capacidades, e por isso é uma perda.»


«Incansável pastor»
D. António Francisco dos Santos foi escuteiro e manteve sempre grande proximidade ao movimento. O Pe. Luís Marinho, assistente nacional do CNE (Corpo Nacional de Escutas), disse à Família Cristã estar «profundamente consternado pela partida para o eterno acampamento tão inesperada deste incansável pastor» a quem agradece. O sacerdote recorda a forma como «se gastou, consumiu a vida em cuidados pela Igreja e por cada pessoa que encontrava, de quem guardava o rosto e o nome, construindo uma história de relações que sempre nos levava a reconhecermo-nos família e amigos». O assistente nacional dos escuteiros afirma que «o escutismo, que praticou ainda no seminário, marcou o seu estilo de viver» e que sempre «cuidou incansavelmente do CNE e dos seus dirigentes e acarinhou a nossa presença em todos os lugares da Igreja». Pessoalmente e «como amigo», mostra-se triste por «ver, aparentemente, uma história interrompida tão precocemente». Mas confia que «a sua vida é semente lançada à terra… dará fruto abundante».

Participação «luminosa» na Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana
O Pe. José Manuel Pereira de Almeida, secretário da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana (CEPSMH), estava «absolutamente surpreendido» com o falecimento do bispo do Porto, e afirmou que toda a comissão ficou «sem palavras». «Era um bispo particularamente atento às questões desta comissão, mesmo tendo-me confessado que nunca as tinha aprofundado muito antes da sua nomeação, uma vez que tinhas outras pessoas nas dioceses onde estava que se ocupavam desses temas», revelou o sacerdote.
Esta «novidade» no trabalho de D. António, que tinha sido nomeado para o cargo ainda este ano, estava a ser encarada por ele com «muito empenho, como fazia com tudo na vida», diz o Pe. José Manuel, que acrescentou à Família Cristã que «tudo estava pensado para começar bem» na comissão.
De 19 a 21 de setembro decorre o XXXI Encontro da Pastoral Social. «Ele estava a planear estar todos os dias do encontro, para poder estar com as pessoas, como ele fazia sempre, ia ser um orgulho para nós», refere o secretário da CEPSMH, que adianta que os trabalhos do encontro irão prosseguir da forma como estavam planeados, e vão procurar «fazer memória da sua pessoa».

Apesar da CEPSMH ter outros bispos na sua composição, a mesma ficará apenas a cargo do secretário até que seja nomeado um novo presidente já na próxima assembeia plenária da CEP, marcada para novembro.

«O bispo da Bondade»
O diretor da revista Família Cristã, Pe. Francisco Rebelo, foi um colaborador próximo de D. António Francisco dos Santos. «A morte de D. António Francisco dos Santos deixa um vazio no coração de todos os que o conheceram de perto. Conhecido por ter uma memória brilhante, recordava o nome daqueles com quem se cruzava, transparecendo proximidade, atenção, dedicação e, sem pressas a todos dispensava o seu tempo, repetindo continuamente que "temos de ser gratos" para com todos os que são generosos para com a Igreja», referiu o Pe. Francisco Rebelo.
O diretor da revista sustenta que «generosidade foi a nota dominante perante os desafios que se lhe apresentavam».

Marcelo lembra «homem bom»
O Presidente da República também enviou mensagem de condolências à família e a «toda a Igreja portuguesa». Marcelo Rebelo de Sousa lembra evoca a memória de «um homem bom, de uma integridade plena, em comunhão de vida com os valores cristãos».

Primeiro-ministro com «enorme tristeza»
António Costa também já reagiu à morte do bispo do Porto, através das redes sociais. Na sua conta de Twitter, fala de «uma referência inspiradora que transcende a diocese do Porto». «Portugal perde um homem bom que eu apreciava escutar», refere.

 
 
Em abril de 2015, D. António Francisco dos Santos deu uma entrevista à Família Cristã, que pode ver aqui.
 

Em atualização
 
Texto: Cláudia Sebastião e Ricardo Perna
Foto: Ricardo Perna
Continuar a ler